Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NASCIDOS CATÓLICOS

Amordaçados, sem liberdade de escolha, nascem assim, crescem assim e rumam ao inferno pensando que o purgatório existe. Enganados, seguem crendo em homens, na contramão daquela que dizem ser A Palavra de Deus.

NASCIDOS CATÓLICOS

Amordaçados, sem liberdade de escolha, nascem assim, crescem assim e rumam ao inferno pensando que o purgatório existe. Enganados, seguem crendo em homens, na contramão daquela que dizem ser A Palavra de Deus.

Resposta ao comentário do Aloysio:

"Maria Helena:

Tudo que você mencionou a respeito de Cristo, no seu texto acima é correto, menos o Cristo vilipendiado pelos protestantes, que fraudam, falsificam, deturpam a bíblia para ficar de acordo com o que  creem.É simplesmente, inacreditável o que vocês protestantes fazem,É de clamar aos céus. Abaixo vamos dar resposta ao seu texto.
Lutero renegou os 7 livros do Antigo Testamento porque eram fortemente contrários à sua doutrina. Por causa de uma das colunas de sua doutrina "Sola fide ", ou somente a fé, Lutero alterou o famoso "versículo" Mas o justo viverá da fé ( Rm.1,17 ) PARA "Mas o justo viverá somente pela fé" e renegava a Carta de Tiago, que ensina que somente a fé não basta, é preciso a obras,.devido ao prestígio que a Carta de Tiago tinha, Lutero não obteve sucesso ao excluir tal livro. Quanto ao Antigo Testamento, os protestantes então resolveram ficar com o catálogo definido pelos judeus da Palestina. Este catálogo judaico foi definido por volta de 100 DC na cidade de Jâmnia e estes foram os critérios estabelecidos pelos judeus para formarem seu Cânon Bíblico:

        O livro não poderia ter sido escrito fora do território de Israel,
        O livro teria que ser totalmente redigido em hebraico;
        O livro teria que ser redigido até o tempo de Esdras ( 458-428 AC )
        O livro não poderia contradizer a Torah de Moisés (os 5 livros de Moisés)

Devido à enorme conversão de judeus ao cristianismo, principalmente os judeus de língua grega, é que os judeus que não aceitaram a Cristo, desenvolveram um judaísmo rabínico, isto é, um judaísmo ultranacionalista, para conversão das comunidades judaicas ao cristianismo. Com este Cânon bíblico, era proibido pelo menos a leitura de todo o Novo Testamento, que mostra fortemente o cumprimento da promessa do  Messias na pessoa de Cristo.
Muitos dos originais hebraicos de alguns livros foram perdidos, existindo somente a versão grega na época da definição do Cânon judaico, Isto significa que livros como Eclesiástico e Sabedoria escritos por Salomão, não foram reconhecidos pelos judeus de Jâmnia, além de outros livros que foram    escritos em aramaicos durante o domínio Caldeu e Persa. Recentemente, os arqueólogos encontram - em Qumram, no mar morto, o original hebraico do livro Eclesiástico.
Os livros do Antigo Testamento que não foram unanimemente aceitos são chamados tecnicamente de deuterocanônicos.
Os protestantes entraram então em grande contradição, pois aceitam a autoridade dos judeus da Palestina para o Antigo Testamento e não aceitam a mesma autoridade para o Novo Testamento.
Aceitam a autoridade da Igreja Católica para o Novo Testamento e não aceitam a mesma autoridade para o Antigo Testamento.
Os apóstolos em suas pregações utilizavam a versão grga dos livros antigos, note que das 350 citações que o Novo Testamento faz dos Livros do Antigo  Testamento, 300 também se referem aos livros deuterocanônicos."

 

Aloysio:

Eu não sei qual é a Bíblia onde você leu: "O justo viverá somente pela fé". Tenho algumas versões da Bíblia em casa e elas dizem isto:

"E é evidente que pela lei ninguém será justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé." (Gálatas 3:11) nas versões ARCF e ARC

_ Será que usou um texto bíblico que possa citar-nos? Qual é a Bíblia que usou? Ou, leu isso em alguma obra de apologética católica romana?

Infelizmente para si, isso não interessa nada porque os cristãos não seguem Lutero nem o que ele pensava e não renegam a carta de Tiago. Graças a Deus que ele não a conseguiu excluir porque ela é preciosa para o nosso ensino.

Somos salvos pela fé sim, mas a fé não pode ser morta. Todo o salvo, todo aquele que está em Cristo, faz boas obras. Tiago nunca ensinou que somos salvos pelas obras, ele ensinou que as obras acompanham sempre a fé verdadeira, a verdadeira religião, entendeu Aloysio?

 

Você escreveu: "Os protestantes entraram então em grande contradição, pois aceitam a autoridade dos judeus da Palestina para o Antigo Testamento e não aceitam a mesma autoridade para o Novo Testamento. Aceitam a autoridade da Igreja Católica para o Novo Testamento e não aceitam a mesma autoridade para o Antigo Testamento.

 

Caramba Aloysio... convenhamos que: o pior cego é aquele que não quer ver! Os "protestantes" não aceitam, nem reconhecem, a autoridade da Igreja Católica em NADA! Muito menos em relação ao Novo Testamento, à Palavra de Deus.

Esqueça os concílios. A Tanach é composta de quais livros?

Evangelhos apócrifos e livros apócrifos como os que a Icar acrescentou ao Antigo Testamento em 1546, aparecem a cada passo. A questão é: "Enquadram-se em todo o ensino das Escrituras que apontam para Cristo da primeira à última página (Antigo Testamento)? Se a resposta é não, devem ser rejeitados.

Porque é que os livros que a ICAR acrescentou ao AT devem ser rejeitados? É só ler esses livros e compará-los com os outros. É só ler algumas das suas práticas e vê-las condenadas noutros livros, enfim.

Aceitar a autoridade dos judeus quanto ao Novo Testamento? Mas... se eles não reconheceram o Senhor Jesus como Senhor e Salvador, como poderiam os cristãos aceitar a autoridade deles quando não entenderam as Escrituras?

O facto de os judeus não terem reconhecido o Messias, tal como estava previsto nas Escrituras, não anula que o AT estivesse correcto. Não anula a Tanach. Pelo contrário, dá-lhe toda a credibilidade ao cumprir as suas profecias.

_ Quem é que lhe disse que a Igreja Católica Romana teve ou tem qualquer autoridade em relação ao Novo Testamento?

_ Onde é que foi buscar essa informação?

 

Hipona e Cartago não é Roma

Os teólogos católicos acreditam que o Concílio de Hipona em 390 A.D. determinou quais os livros que foram realmente inspirados e colocados num só volume. Por isso,  dizem que todos dependem da autoridade da igreja católica para aceitar o cânon do NT. Mas, há vários erros neste argumento:

 

1- Não se pode provar que a igreja que administrou aquele Concílio no anos 390 a.C. é a mesma igreja que hoje conhecemos como “Igreja Católica Apostólica Romana”.

Por exemplo: _ a igreja de 390 não possuía nenhum crucifixo nem imagens porque a primeira menção a crucifixos apareceu mais tarde, no século VI.

_ A tradição que incentivou o culto às imagens só foi promulgada no mesmo século.

_ A igreja de 390 dava a santa ceia aos fiéis conforme as instruções de Jesus e dos apóstolos: pão e vinho, até que, em 1416 a actual ICAR, aboliu formalmente essa prática.

_ A igreja de 390 foi uma igreja completamente diferente da actual Igreja Católica Romana.

Além disso, os bispos daquele Concílio jamais mencionaram serem eles os primeiros a decidirem quais os livros que seriam inspirados. Eles não reivindicam para si a autoridade de decidir a canonicidade dos livros em si. Isto, bem como a maior parte das heresias da ICAR, só foi cogitado muito mais tarde no Concílio de Trento (1545-1563).

Deus, jamais deu a qualquer concílio a autoridade para decidir sobre a inspiração da sua Palavra. A inspiração de tais livros não depende de concílios humanos. Contudo, hoje, os apologistas católicos ensinam “Nós podemos aceitar a Bíblia unicamente na autoridade da Igreja Católica.” Será que, conhecendo a história da igreja, podemos aceitar tal raciocínio? Claro que não!

 

O cânon existia muito antes de Hipona e Cartago

Também não pode ser provado que foi a igreja católica quem reuniu os livros do NT, pois esta colecção já estava em circulação antes do Concílio de Hipona.
Vejamos uma lista de livros que foram mencionados pelos escritores cristãos primitivos:

 

  •  100-147 - Justino, o Mártir, menciona os Evangelhos como sendo quatro em número e cita-os. O mesmo acontece  com algumas das epístolas de Paulo e Apocalipse.
  •  135-200 -  Irineu, cita todos os livros do NT excepto: Filemon , Judas, Tiago e 3 João.
  • 160-240 - Tertuliano, contemporâneo de Orígenes e Clemente, menciona todos livros do NT excepto: 2 Pedro, Tiago e 2 João.
  • 165-220 - Clemente, de Alexandria, especifica todos os livros do Novo Testamento excepto: Filemon, Tiago, 2 Pedro e 3 João. Já Eusébio, que possuía os escritos de Clemente, disse que ele deu explicações e fez citações de todos os livros canónicos.
  •  185-254 - Origenes, escritor de Alexandria, especifica todos os livros de ambos os Testamentos.
  • 270 - Eusébio, bispo de Cesaréia, chamado: "Pai da história eclesiástica", escreve sobre a perseguição que o imperador Diocleciano lançou sobre a igreja cujo decreto requeria que todas as igrejas fossem destruídas e as Sagradas Escrituras queimadas. Ele lista todos os livros do Novo Testamento.
  • 315-386 - Cirilo, bispo de Jerusalém, dá uma lista de todos os livros do NT excepto Apocalipse.
  • 326 - Atanásio, bispo de Alexandria, menciona todos os livros do Novo Testamento.  

Assim, todos os livros do NT estavam em circulação na era apostólica. Os próprios  apóstolos colocaram os seus escritos em circulação no início da igreja "E, quando esta epístola tiver sido lida entre vós, fazei que também o seja na igreja dos laodicenses, e a que veio de Laodicéia lede-a vós também." (Colossenses 4:16); Pelo Senhor vos conjuro que esta epístola seja lida a todos os santos irmãos." (1 Tessalonicenses 5:27)

 

As Escrituras Sagradas foram escritas para todos e toda a vida do homem será julgada por elas no último dia. Jesus disse que a Sua Palavra permanecerá para sempre.

A Igreja Católica nunca foi a única a possuir a Bíblia. A reivindicação de que tem sido ela  a única guardiã e preservadora das Escrituras não procede. A Bíblia não é um livro Católico. Nenhum católico escreveu a Bíblia, nem as suas doutrinas podem encontrar respaldo nas Sagradas Escrituras.

O Novo Testamento foi encerrado antes do fim do primeiro século, d.C, quando ainda não existia aquela que hoje conhecemos como Igreja Católica Romana que só se desenvolveu paulatinamente depois do século IV. A Igreja Católica não é a igreja verdadeira e original à qual Paulo escreveu a carta aos Romanos, mas sim uma “igreja” que apostatou e saíu da verdadeira igreja do NT.

 

Mas... imaginemos que a ICAR pudesse provar que só ela é a guardiã das Sagradas Escrituras... então, permanece o facto de que ela não segue o ensino da Bíblia e que as suas doutrinas são contrárias à Palavra de Deus.

Além disso, mesmo que a Igreja Católica pudesse provar conclusivamente que foi ela a responsável pela compilação dos livros do NT, isso não prova que a Igreja Católica é infalível, muito menos que é a autora do NT.