Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NASCIDOS CATÓLICOS

Amordaçados, sem liberdade de escolha, nascem assim, crescem assim e rumam ao inferno pensando que o purgatório existe. Enganados, seguem crendo em homens, na contramão daquela que dizem ser A Palavra de Deus.

NASCIDOS CATÓLICOS

Amordaçados, sem liberdade de escolha, nascem assim, crescem assim e rumam ao inferno pensando que o purgatório existe. Enganados, seguem crendo em homens, na contramão daquela que dizem ser A Palavra de Deus.

«Quero Morrer e Ir para o Céu!»

“A mãe de Jacinta dizia-lhe: «O inferno é uma cova de bichos e uma fogueira muito grande e vai para lá quem faz pecados e não se confessa e fica lá sempre a arder» (Jacinta p.94).

 

Esta era a descrição menos assustadora do inferno contada e recontada aos pastorinhos diariamente. É difícil “avaliar o terror que avassalou o espírito débil das três crianças e a razão porque só pensavam em rezar e ganhar indulgências, pois lá diz a Missão: «Quem lucrar uma indulgência plenária em toda a sua plenitude e morrer no mesmo instante, vai logo para o céu sem alguma demora; nem pelo Purgatório passa.» (Aditamento, p. 41)

Assim se explica a contínua ansiedade das crianças em irem para o céu. Viver num mundo assim, com tais misérias e pecados, para quê? Antes morrer e o mais breve possível! «Que queres tu ser?» perguntaram ao Francisco _ «Não quero ser nada. Quero morrer e ir para o Céu.» (Rolim, p. 183).

Tinha carradas de razão. […] Quando Francisco caiu de cama, a uma pergunta de Lúcia respondeu: «Já me falta pouco para ir para o Céu!»

Na altura em que Jacinta estava a ser interrogada pelo agente do governo, Francisco segredou a Lúcia: «Se nos matarem, daqui a nada estamos no Céu.» (Rolim, pp. 169 e 181). E a Jacinta, antes que a tuberculose a surpreendesse: «Entraria de boa vontade no convento, mas preferia ir para o Céu, o mais depressa possível.» (Os videntes de Fátima, p. 89).

Com esta obsessão do Céu, pavores do inferno e a doença vergando-os e chupando-os, inexoravelmente, como poderiam eles deixar de ver e ouvir tudo quanto Lúcia pretendesse para os fins que tinha em vista, como primeiro agente dos empresários?! […] o túmulo era bem mais seguro do que o convento, onde seria preciso esconde-los, se antes não fossem para o Céu … (Jacinta, como vimos, preferiu este caminho… ou lho fizeram preferir, segundo muita vez se tem dito.)”

 

Na Cova dos Leões pp. 198-199.

Tomás da Fonseca

 

os-tres-pastorinhos.jpg