Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NASCIDOS CATÓLICOS

Amordaçados, sem liberdade de escolha, nascem assim, crescem assim e rumam ao inferno pensando que o purgatório existe. Enganados, seguem crendo em homens, na contramão daquela que dizem ser A Palavra de Deus.

NASCIDOS CATÓLICOS

Amordaçados, sem liberdade de escolha, nascem assim, crescem assim e rumam ao inferno pensando que o purgatório existe. Enganados, seguem crendo em homens, na contramão daquela que dizem ser A Palavra de Deus.

QUEM É O CABEÇA DA IGREJA?

"(...) como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o Salvador do corpo." (Efésios 5:23)

"(...) ele (Jesus Cristo) é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência," (Colossenses 1:18)

 

Contráriamente ao ensino bíblico, a Igreja Católica Romana ensina que o Papa é o cabeça principal da Igreja, e que o mesmo é a autoridade máxima na e da Igreja.

Esta doutrina desenvolveu-se entre os anos 313 e 590 d.C, quando a Igreja Católica Antiga, gradualmente, foi sendo absorvida pela Igreja Católica Romana.

Até então, cada Bispo Cristão era um igual entre si, mas, com a supremacia do Bispo de Roma, sobre os outros bispos, a doutrina do papado foi se fortalecendo até que em 607 d.C o título de Papa, ou Bispo Universal, foi dado a Bonifácio III pelo Imperador Focas.

Para formulação de tal doutrina, os líderes da Igreja Católica Romana baseiam-se na teoria de que o Apóstolo Pedro foi o primeiro Papa da sua história. A Bíblia não oferece nenhuma base para o estatuto e a função papal. À luz do Novo Testamento, secção da Bíblia que relata a origem da Igreja Cristã, não há menção de tal posição; este título e posição, simplesmente, nunca existiram. Tal como a adoração a Maria, o surgimento do papado teve uma inspiração pagã e secular.

Como todos sabemos, é do cérebro, localizado na cabeça, que partem todas as ordens dadas ao corpo, o qual funciona debaixo desta autoridade, e com base nisso, a Bíblia, em forma figurada fala de Cristo como o cabeça da Igreja (cf. Ef. 5:23; Col 1:18), ou seja, aquele que tem total controle sobre a Igreja, a qual é vista como o seu corpo (cf. 1 Cor. 12:27).

Portanto, a Bíblia, simplesmente ensina que a Igreja é o corpo de Cristo, sendo Ele, a cabeça principal posta nela.

A Igreja não são tijolos, como alguns pensam, nem bancos ou telhas, mas a Igreja são pessoas de corpo presente, sendo o prédio apenas o lugar onde as pessoas se reúnem (cf. Ef1:15-23 e 4:9-16).

Como dissemos atrás, os líderes da Igreja Católica Romana, afirmam, ter sido o Apóstolo Pedro o primeiro papa. Porém, nunca foi provado pela história do Cristianismo, nem nunca será, que Pedro tenha estado (ou esteve) em Roma, ou que tenha sido ele o fundador da Igreja em Roma.

Ademais, Pedro, ou qualquer dos Apóstolos jamais se consideraram superiores uns aos outros. Pedro, mesmo, considerou-se um com eles, como lemos na carta que ele escreveu, de seu próprio punho (cf. 1 Pe 1:1).

Se formos levar a questão adiante, em termos de liderança, está provado, pela Bíblia, que os três principais líderes da Igreja eram: Tiago, irmão carnal do Senhor Jesus, Pedro e João, sendo que Tiago é visto como o líder principal da mesma. O texto de Actos dos Apóstolos 15:1-18 demonstra a influência da liderança de Tiago, uma vez que foi ele mesmo a resolver a questão surgida quanto à integração dos gentios (não israelitas) na Igreja Cristã.

Outro título dado ao Papa é o de Vigário (representante) de Cristo na Terra, o qual também contradiz o ensino bíblico, que assevera que o verdadeiro e único representante de Cristo na Terra é o Espírito Santo (cf. Jo 16:12-15).

 

Nota final: Aprendemos que Cristo é a única verdadeira cabeça espiritual da Igreja, sendo ela o seu corpo na Terra, formado por todos aqueles que obedecem à Palavra de Deus.

Conclusão: Este ensino de um Papa a querer proclamar-se o cabeça da Igreja, somente entrou nela no séc. VII, no ano 607 d.C, sendo mais uma inovação da Igreja Católica Romana, uma vez que já se haviam passado cerca de 500 anos da morte dos Apóstolos de Cristo.