Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

NASCIDOS CATÓLICOS

Amordaçados, sem liberdade de escolha, nascem assim, crescem assim e rumam ao inferno pensando que o purgatório existe. Enganados, seguem crendo em homens, na contramão daquela que dizem ser A Palavra de Deus.

NASCIDOS CATÓLICOS

Amordaçados, sem liberdade de escolha, nascem assim, crescem assim e rumam ao inferno pensando que o purgatório existe. Enganados, seguem crendo em homens, na contramão daquela que dizem ser A Palavra de Deus.

Quem deu a Bíblia ao mundo?

Resposta à falsa alegação de que foi a Igreja Católica quem deu a Bíblia ao mundo

 

Introdução: Os católicos alegam que o mundo tem uma dívida com o catolicismo romano por ter sido a Igreja Católica quem deu origem à Bíblia. Mas isto não é nada mais do que uma tentativa para exaltar a igreja católica acima da Bíblia. Os escritores católicos aceitam a autoridade da Bíblia unicamente porque afirmam que a sua autoridade é derivada da igreja. No entanto, a realidade, é que a Bíblia é inspirada e tem autoridade, não porque a igreja católica declarou que assim fosse, mas porque Deus o havia determinado.

A própria Escritura diz: "Toda Escritura é inspirada por Deus..." (2 Tim. 3:16). "... Homens santos falaram movidos pelo Espírito Santo." (2 Pedro 1:21). "O céu e a terra passarão, mas minhas palavras não hão de passar." (Mateus. 24:35). Portanto, os católicos não têm razão, quando dizem que a Bíblia é autorizada como Palavra de Deus unicamente por causa da Igreja Católica. A existência da Bíblia não depende da Igreja Católica, mas da autoridade, força e providência de Deus.

 

A Bíblia, ou a Igreja? Quem é a autoridade final?

Esta mentira da ICAR nada mais é que uma tentativa para enfraquecer a Bíblia como a única autoridade para o cristão e consequentemente elevar a igreja católica a essa posição. É justamente isso que os líderes católicos desejam que o povo acredite. O problema é que tudo isso não passa de puro raciocínio humano. Não procede de Deus. A lógica católica é um exemplo clássico de "raciocínio circular ".

 

Veja: Eles tentam provar a autoridade da Bíblia através da igreja (eles só podem aceitar a Bíblia tendo a tradição da igreja como autoridade) e depois vão à Bíblia para provar a autoridade da igreja. Tal raciocínio é um absurdo. Das duas, uma: ou a Bíblia é a autoridade para o cristão ou a autoridade é uma determinada igreja, mas não ambos.

Os líderes católicos afirmam que sem a Igreja Católica não existiria nenhuma Bíblia; alegam que a humanidade pode aceitar as Sagradas Escrituras unicamente por causa da autoridade da Igreja Católica que determinou quais eram os livros inspirados.

 

O Velho Testamento não foi definido por Roma

O argumento de que a Igreja Católica deu a Bíblia ao mundo provém de vários erros:

Primeiro: a igreja católica nunca poderia  ter dado a primeira parte da Bíblia que é o Velho Testamento, porque ele veio através dos judeus, que foram os guardiões dos oráculos divinos. (Romanos. 3:1-2; 9:4-5; Atos 7:38). Os livros do VT foram postos num só volume e traduzidos do hebreu para o grego (conhecida como a versão Septuaginta) muito tempo antes de Jesus nascer (227 a.C). Provavelmente esta foi a versão que Cristo e os apóstolos usaram. Jesus não disse para o povo do seu tempo que eles deveriam aceitar o VT porque os judeus os tinham reunido num só volume, como fazem hoje os católicos. Não. Ele incentivou as pessoas a seguirem a Bíblia não porque um grupo de homens havia sido inspirado, juntando todos os livros sagrados num só volume, mas porque ela era por si mesma inspirada pelo Espírito de Deus.

Ele sabia que as pessoas poderiam discernir por evidências internas e externas quais eram os livros inspirados e quais não eram. Jesus Cristo nunca levantou dúvidas ao cânon judaico.

_ Se a Bíblia é um livro Católico, porque é que, em nenhum lugar ela menciona a Igreja Católica?

_ Porque é que nunca encontramos uma leve menção sobre um papa universal, um arcebispo, uma freira, ou qualquer outra ordem católica?

_ Se a Bíblia é um livro Católico, porque é que não contém as suas principais doutrinas: confissão auricular, indulgências, orações aos santos, veneração a Maria, veneração de reliquias, o culto ás imagens e muitas outras cerimónias e rituais da Igreja Católica?

_ Se a Bíblia é um livro católico, como pode a igreja católica proibir os seus sacerdotes de casar sendo que a Bíblia ensina que o bispo deve ser casado (1 Timóteo 3:2, 4-5)?

 

Hipona e Cartago não é Roma

Os teólogos católicos acreditam que o Concílio de Hipona em 390 d. C. determinou quais os livros que foram realmente inspirados e colocados num volume. Diante disto dizem que todos dependem da autoridade da igreja católica para aceitar o cânon do Novo Testamento. Há vários erros neste argumento.

Primeiro: não se pode provar que a igreja que administrou aquele Concílio 390 a. C. é a mesma igreja que agora é conhecida como "Igreja Católica Apostólica Romana". Por Exemplo, a igreja de 390 não possuía nenhum crucifixo nem imagens porque a primeira menção de crucifixos apareceu muito mais tarde no VI século. Também a tradição que incentivou o culto às imagens só foi promulgada no século VI. A igreja de 390 dava a comunhão sob ambas espécies aos fiéis : pão e vinho, até ter sido abolida formalmente em 1416.  A igreja de 390 foi uma igreja em quase todos os aspectos diferente da Igreja Católica Romana actual.

Além disso, os bispos daquele Concílio nunca mencionaram serem eles os primeiros a decidirem quais os livros que seriam inspirados. Eles não reivindicam para si a autoridade de decidir a canonicidade dos livros em si. Isto só foi cogitado bem mais tarde no Concílio de Trento (1545-1563). Deus jamais deu a qualquer concílio autoridade para decidir sobre a inspiração da sua Palavra. A inspiração de tais livros não depende de concílios humanos.

Contudo, hoje, os apologistas católicos ensinam "Nós podemos aceitar a Bíblia unicamente na autoridade da Igreja Católica." Podemos nós, como cristãos, aceitar tal raciocínio? Claro que não! Jesus Cristo, nosso Senhor e Mestre, havia aprovado a Velho Testamento muito antes de a Igreja de Roma lhe acrescentar mais livros.

 

O cânon bem antes de Hipona e Cartago

Também não pode ser provado que foi a igreja católica quem reuniu os livros do Novo Testamento, pois esta colecção já estava em circulação bem antes do Concílio de Hipona. Abaixo, catalogamos uma lista de livros que foram mencionados pelos escritores cristãos primitivos:

  • 326 _  Atanásio, bispo de Alexandria, menciona todos os livros do Novo Testamento.
  • 315-386 _ Cirilo, bispo de Jerusalém, dá uma lista de todos os livros do NT excepto Apocalipse.
  • 270 _ Eusébio, bispo de Cesaréia, chamado de Pai da história eclesiástica, narra sobre a perseguição que o imperador Diocleciano lançou sobre a igreja cujo decreto requeria que todas as igrejas fossem destruídas e as Sagrada Escrituras queimadas. Ele listou todos os livros do Novo Testamento. Ele foi comissionado por Constantino para preparar cinquenta cópias da Bíblia para uso das igrejas de Constantinopla.
  • 185-254 _ Origenes, escritor de Alexandria, especifica todos os livros de ambos os Testamentos.
  • 165-220 _ Clemente de Alexandria, especifica todos os livros do Novo Testamento exceto Filemon, Tiago, 2 Pedro e 3 João. Mas, Eusébio, que possuía os escritos de Clemente, disse que ele deu explicações e citações de todos os livros canónicos.
  • 160-240 _ Tertuliano, contemporâneo de Orígenes e Clemente, menciona todos  os livros do NT excepto 2 Pedro, Tiago e 2 João.
  • 135-200  _ Irineu, citou todos os livros do NT excepto  Filemon , Judas, Tiago e 3 João.
  • 100-147 _ Justino, o Mártir, menciona os Evangelhos como sendo quatro em número e cita-os, bem como algumas das epístolas de Paulo e Apocalipse.

Assim, todos os livros do Novo Testamento estiveram em circulação na era apostólica.

Os apóstolos, eles mesmos colocaram os seus escritos em circulação no começo do cristianismo (Colossenses 4:16 - 1 Tessalonicenses 5:27). As Escrituras Sagradas foram escritas para todos (1 Coríntios 1:2; Efésios 1:1). Jesus disse que a Sua Palavra permanecerá para sempre. A Igreja Católica não foi a única a possuir a Bíblia nos priomeiros séculos do cristianismo.

A reclamação que a igreja católica faz de ter dado a Bíblia ao mundo não pode ser verdadeira porque eles não foram os únicos a possuír a Bíblia durante estes dois mil anos de cristianismo. Algumas das mais importantes versões e manuscritos gregos vieram a nós de fontes não-católicas romanas.

 

O Codex Sinaiticus

Um exemplo notável disto é o Codex Sinaiticus que foi encontrado no monastério de Santa Catarina (pertencente à Igreja Ortodoxa Grega) no monte Sinai 1844 e está agora no Museu Britânico. Contém nada menos que os livros do Novo Testamento e pequenas porções do Velho testamento. Alguns estudiosos defendem que este manuscrito foi escrito no quarto século, não mais tarde do que 350 d. C. Este manuscrito encontrado por um estudioso alemão protestante, que é o mais completo de todos nunca esteve nas mãos da Igreja Católica Romana.

 

Codex Alexandrinus

Outro manuscrito valioso que nunca esteve em posse da Igreja Católica Romana é o Codex Alexandrinus. Está em exibição no Museu Britânico de Londres. Ele foi um presente do Patriarca de Constantinopla (da Igreja Ortodoxa Grega) a Charles I em 1628. Ele tinha estado na posse do Patriarca durante séculos e originalmente veio de Alexandria, no Egito, de onde se obtém seu nome. Os estudiosos acreditam que este manuscrito também foi produzido no quarto século. Muitos acreditam que estes dois manuscritos foram uma das cópias que Constantino mandou fazer das cinquenta Bíblias preparadas por Eusébio.

 

Conclusão:

À luz dos factos acima , a reivindicação da Igreja Católica Romana de que ela tem sido o único guardião e preservador das Escritura não procede.

A Bíblia não é um livro Católico. Nenhum católico escreveu a Bíblia, e nem as suas doutrinas podem encontrar guarida nas Sagradas Escrituras. O Novo Testamento foi completado antes do fim do primeiro século, A.D, quando nem havia a Igreja Católica como a conhecemos hoje, igreja essa que teve o seu desenvolvimento paulatinamente depois do quarto século. A Igreja Católica não é a igreja verdadeira e original, mas uma "igreja" apostata.

 

 

Mas, mesmo que a Igreja Católica pudesse provar que é a única guardiã das Sagradas Escrituras, ainda assim permanece o facto de que a Igreja Católica não está seguindo a Bíblia e suas doutrinas são contrárias à mesma. Além disso, mesmo que a Igreja Católica conseguisse provar conclusivamente que seja a responsável pela reunião dos livros do Novo Testamento, isso não prova que a Igreja Católica é infalível.

 

Adaptado de: http://www.cacp.org.br/catolicismo/

9 comentários

Comentar post