Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

NASCIDOS CATÓLICOS

Amordaçados, sem liberdade de escolha, nascem assim, crescem assim e rumam ao inferno pensando que o purgatório existe. Enganados, seguem crendo em homens, na contramão daquela que dizem ser A Palavra de Deus.

NASCIDOS CATÓLICOS

Amordaçados, sem liberdade de escolha, nascem assim, crescem assim e rumam ao inferno pensando que o purgatório existe. Enganados, seguem crendo em homens, na contramão daquela que dizem ser A Palavra de Deus.

HISTÓRIA DA IGREJA _ CONSEQUÊNCIAS DA RELIGIÃO ESTATAL

Depois que o exército francês de Napoleão III derrotou Juarez e instituiu Maximiliano como imperador de México, este viu que não seria possível regressar ao antigo totalitarismo. O papa Pio IX ficou furioso e, indignado, escreveu a Maximiliano, exigindo que "a religião católica estivesse acima de todas as coisas, continuando a ser a glória e o sustentáculo da nação mexicana, com a exclusão de qualquer outro culto dissidente".  Que "instruções públicas ou particulares deveriam ser dirigidas e observadas  pelas autoridades eclesiásticas" e que ela não deveria ficar "sujeita à arbitrária regra do governo civil". (Emmet McLoughlin, An Inquiry  into the Assassination of Abraham Lincoln (The Citadel Press, 1977), pp. 80-82)

A pobreza e a instabilidade que desgraçaram a América Latina resultaram da união entre Igreja e Estado, e do poder sobre o governo que Roma, após tê-lo gozado durante séculos na Europa trouxe para o Novo Mundo em nome de Cristo.

Os clérigos romanos comportavam-se como deuses, dominando os nativos, que se tornaram seus criados. As revoluções nos países da América Latina foram, em grande parte, criadas pelo contraste entre a pobreza do povo e a riqueza da Igreja Católica Romana e os maus ditadores que ela sustentava.

A Teologia da Libertação foi pregada na América Latina pelos padres e freiras radicais, cujas consciências perturbadas já não podiam justificar a opressão das massas, tanto pela Igreja como pelo Estado.

Dezenas de outros exemplos poderiam ser citados, mas faremos isso mais adiante. A questão é que as raízes da aliança profana entre Igreja e Estado, com a Igreja a dominar, remetem-nos de volta a Babel. Ninrode fundou o primeiro império mundial, onde a Igreja e Estado eram um só. Esse é o império ideal que o catolicismo romano se tem esforçado ao máximo para estabelecar e manter. Como declarou o periódico The Catholic World na época do Vaticano I:

"Conquanto o Estado tenha alguns direitos, ele os tem apenas em virtude, e com a permissão da autoridade superior... da Igreja ... " ((The Catholic World, julho 1870, vol. xi, p. 439)

A antipatia do catolicismo romano pelas liberdades humanas básicas acabou por resultar em alianças com os governos totalitários de Hitler e Mussolini, que eram aclamados pelo papa e outros líderes católicos como homens escolhidos por Deus. Os católicos foram proibidos de se opôr a Mussolini e foram instigados a apoiá-lo. A Igreja virtualmente colocou o ditador fascista no poder (como faria com Hitler alguns anos depois). Em troca, Mussolini (na Concordata de 1929 com o Vaticano) tornou o catolicismo romano novamente a religião estatal oficial da Itália e qualquer crítica feita era considerada crime. À Igreja foram concedidos outros favores, inclusivé uma vasta soma em dinheiro e títulos.

 

Dave Hunt - A Mulher Montada na Besta Vol I

Próxima Nota: Raízes de Uma Ilusão Moderna