Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

NASCIDOS CATÓLICOS

Amordaçados, sem liberdade de escolha, nascem assim, crescem assim e rumam ao inferno pensando que o purgatório existe. Enganados, seguem crendo em homens, na contramão daquela que dizem ser A Palavra de Deus.

NASCIDOS CATÓLICOS

Amordaçados, sem liberdade de escolha, nascem assim, crescem assim e rumam ao inferno pensando que o purgatório existe. Enganados, seguem crendo em homens, na contramão daquela que dizem ser A Palavra de Deus.

O ENGANO

"Não sabeis que daquele a quem vos apresentais como servos para lhe obedecer, sois servos desse mesmo a quem obedeceis, seja do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça? Mas graças a Deus que, embora tendo sido servos do pecado, obedecestes de coração à forma de doutrina a que fostes entregues; e libertos do pecado, fostes feitos servos da justiça. Falo como homem, por causa da fraqueza da vossa carne. Pois assim como apresentastes os vossos membros como servos da impureza e da iniqüidade para iniqüidade, assim apresentai agora os vossos membros como servos da justiça para santificação. Porque, quando éreis servos do pecado, estáveis livres em relação à justiça. E que fruto tínheis então das coisas de que agora vos envergonhais? pois o fim delas é a morte. Mas agora, libertos do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna. Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor." (Romanos 6:16-23)

 

Esta passagem das Escrituras mostra-nos que só podemos servir a um de dois senhores. Servimos a Satanás através do pecado, ou servimos a Deus através da justiça de Jesus Cristo. O salário de servir o Diabo é a morte, o salário de servir a Deus é a vida eterna na Sua maravilhosa presença.

"Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." (João 14:6)

Esta afirmação é absoluta. Há SÓ UM Caminho para Deus e esse Caminho é através de Jesus e do preço que Ele pagou pelos nossos pecados ao morrer na cruz. Satanás age por meio do engano. O plano dele para os seres humanos nunca muda e passa sempre por enganar as pessoas fazendo-as pensar que estão a servir a Deus, quando, na verdade, servem a Satanás.

Jesus Cristo falou sobre o engano que Satanás usaria para enganar o mundo:

"Respondeu-lhes Jesus: Acautelai-vos, que ninguém vos engane. Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; a muitos enganarão.  Se, pois, alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! ou: Ei-lo aí! não acrediteis; porque hão de surgir falsos cristos e falsos profetas, e farão grandes sinais e prodígios; de modo que, se possível fora, enganariam até os escolhidos." (Mateus 24: 4-5; 23-24)

Somos advertidos de forma clara pelas Escrituras de que muitos pensarão e afirmarão adorar a Jesus, quando, na verdade, não adoram o Jesus que a Bíblia nos revela. O Jesus da Bíblia nasceu de uma virgem, era Deus em carne humana, nunca pecou, andou corporalmente na terra por 33 anos, morreu numa cruz pelos nossos pecados, ressuscitou ao terceiro dia, e então subiu aos céus e assentou-se à direita de Deus Pai, onde está hoje.

Qualquer "Jesus" que não preencha todos estes requisitos, não é o Jesus da Bíblia. É por esse motivo, porque o Diabo engana a muitos disfarçando-se de "Jesus" que a Bíblia nos ensina a testar todos os espíritos.

"Amados, não creiais a todo espírito, mas provai se os espíritos vêm de Deus; porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo." (1 João 4:1)

Como aplicar o teste das Escrituras?

Como comparar o Jesus da Bíblia com o "Jesus" adorado pela Igreja Católica Romana?

É o que estudaremos no post seguinte. 

 

 

Amigo Católico Romano:

Consideras a Bíblia a verdade de Deus para o homem  e a autoridade final para guiar as nossas acções e a nossa vida?

Se a tua resposta é sim, louvo a Deus por isso e encorajo-te a acompanhar alguns pequenos textos sobre as doutrinas enganosas do Catolicismo Romano!

Antes de mais nada: Se de facto aceitas a Bíblia como autoridade final de Deus na tua vida para todas as tuas acções pergunto:

_ Examinas as Escrituras para provar e ver se, tudo aquilo em que acreditas e praticas em termos de religião, está de acordo com a Palavra de Deus?

_ Tens lido a Bíblia por conta própria? Quql é o lugar ela ocupa nas tuas prioridades de leitura?

_ Passas todas as doutrinas do catolicismo romano pelo crivo da Palavra de Deus? 

 

Se a tua resposta é "NÃO", estás em desobediência ao que está escrito na Palavra de Deus.

Cada um de nós é, individualmente, responsável por estudar a Bíblia e aprender os seus ensinamentos. Todos somos individualmente responsáveis diante de Deus por pensar por nós mesmos e por conferir TUDO com a Palavra. A Bíblia enaltece sobremaneira os de Bereia por terem feito isso: "E logo, de noite, os irmãos enviaram Paulo e Silas para Beréia; tendo eles ali chegado, foram à sinagoga dos judeus. Ora, estes eram mais nobres do que os de Tessalônica, porque receberam a palavra com toda avidez, examinando diariamente as Escrituras para ver se estas coisas eram assim. De sorte que muitos deles creram, bem como bom número de mulheres gregas de alta posição e não poucos homens." (Atos dos Apóstolos 17:10)

 

Entenda que os discípulos de Bereia não foram elogiados só por estudarem e examinarem as Escrituras para ver se Paulo e Silas pregavam a verdade ou não. Eles também receberam a benção de Deus e a Salvação através de Jesus Cristo. Quantas almas há no mundo hoje, que não receberam o dom da Salvação simplesmente porque não examinam as Escrituras? Essas almas, na sua maioria, estão em diferentes religiões, presumindo que, por seguirem os que os seus líderes lhes dizem para fazer "irão para o céu" no final.

Que trágico! É só através do sacrifício de Jesus Cristo em nosso lugar que podemos chegar ao céu! Jesus Cristo é o único caminho que nos conduz ao Pai. Ele é o passaporte para uma eternidade de alegria e felicidade. Só aqueles que crêm que Ele é Deus encarnado que veio a esta terra para salvar o homem dos seus pecados, que confiam na Sua obra redentora da cruz do calvário, se arrependem dos seus pecados, O recebem como unico Senhor e Salvador e nascem de novo, passarão a eternidade com Ele no céu.

Desejas avaliar as tuas accões e as tuas crenças pela Palavra de Deus, conforme se encontra exarada na Bíblia?

Então acompanha a série de postagens que se seguirão. A primeira vai falar sobre o "Jesus" que a Igreja Católica Romana adora.

 

Quem deu a Bíblia ao mundo?

Resposta à falsa alegação de que foi a Igreja Católica quem deu a Bíblia ao mundo

 

Introdução: Os católicos alegam que o mundo tem uma dívida com o catolicismo romano por ter sido a Igreja Católica quem deu origem à Bíblia. Mas isto não é nada mais do que uma tentativa para exaltar a igreja católica acima da Bíblia. Os escritores católicos aceitam a autoridade da Bíblia unicamente porque afirmam que a sua autoridade é derivada da igreja. No entanto, a realidade, é que a Bíblia é inspirada e tem autoridade, não porque a igreja católica declarou que assim fosse, mas porque Deus o havia determinado.

A própria Escritura diz: "Toda Escritura é inspirada por Deus..." (2 Tim. 3:16). "... Homens santos falaram movidos pelo Espírito Santo." (2 Pedro 1:21). "O céu e a terra passarão, mas minhas palavras não hão de passar." (Mateus. 24:35). Portanto, os católicos não têm razão, quando dizem que a Bíblia é autorizada como Palavra de Deus unicamente por causa da Igreja Católica. A existência da Bíblia não depende da Igreja Católica, mas da autoridade, força e providência de Deus.

 

A Bíblia, ou a Igreja? Quem é a autoridade final?

Esta mentira da ICAR nada mais é que uma tentativa para enfraquecer a Bíblia como a única autoridade para o cristão e consequentemente elevar a igreja católica a essa posição. É justamente isso que os líderes católicos desejam que o povo acredite. O problema é que tudo isso não passa de puro raciocínio humano. Não procede de Deus. A lógica católica é um exemplo clássico de "raciocínio circular ".

 

Veja: Eles tentam provar a autoridade da Bíblia através da igreja (eles só podem aceitar a Bíblia tendo a tradição da igreja como autoridade) e depois vão à Bíblia para provar a autoridade da igreja. Tal raciocínio é um absurdo. Das duas, uma: ou a Bíblia é a autoridade para o cristão ou a autoridade é uma determinada igreja, mas não ambos.

Os líderes católicos afirmam que sem a Igreja Católica não existiria nenhuma Bíblia; alegam que a humanidade pode aceitar as Sagradas Escrituras unicamente por causa da autoridade da Igreja Católica que determinou quais eram os livros inspirados.

 

O Velho Testamento não foi definido por Roma

O argumento de que a Igreja Católica deu a Bíblia ao mundo provém de vários erros:

Primeiro: a igreja católica nunca poderia  ter dado a primeira parte da Bíblia que é o Velho Testamento, porque ele veio através dos judeus, que foram os guardiões dos oráculos divinos. (Romanos. 3:1-2; 9:4-5; Atos 7:38). Os livros do VT foram postos num só volume e traduzidos do hebreu para o grego (conhecida como a versão Septuaginta) muito tempo antes de Jesus nascer (227 a.C). Provavelmente esta foi a versão que Cristo e os apóstolos usaram. Jesus não disse para o povo do seu tempo que eles deveriam aceitar o VT porque os judeus os tinham reunido num só volume, como fazem hoje os católicos. Não. Ele incentivou as pessoas a seguirem a Bíblia não porque um grupo de homens havia sido inspirado, juntando todos os livros sagrados num só volume, mas porque ela era por si mesma inspirada pelo Espírito de Deus.

Ele sabia que as pessoas poderiam discernir por evidências internas e externas quais eram os livros inspirados e quais não eram. Jesus Cristo nunca levantou dúvidas ao cânon judaico.

_ Se a Bíblia é um livro Católico, porque é que, em nenhum lugar ela menciona a Igreja Católica?

_ Porque é que nunca encontramos uma leve menção sobre um papa universal, um arcebispo, uma freira, ou qualquer outra ordem católica?

_ Se a Bíblia é um livro Católico, porque é que não contém as suas principais doutrinas: confissão auricular, indulgências, orações aos santos, veneração a Maria, veneração de reliquias, o culto ás imagens e muitas outras cerimónias e rituais da Igreja Católica?

_ Se a Bíblia é um livro católico, como pode a igreja católica proibir os seus sacerdotes de casar sendo que a Bíblia ensina que o bispo deve ser casado (1 Timóteo 3:2, 4-5)?

 

Hipona e Cartago não é Roma

Os teólogos católicos acreditam que o Concílio de Hipona em 390 d. C. determinou quais os livros que foram realmente inspirados e colocados num volume. Diante disto dizem que todos dependem da autoridade da igreja católica para aceitar o cânon do Novo Testamento. Há vários erros neste argumento.

Primeiro: não se pode provar que a igreja que administrou aquele Concílio 390 a. C. é a mesma igreja que agora é conhecida como "Igreja Católica Apostólica Romana". Por Exemplo, a igreja de 390 não possuía nenhum crucifixo nem imagens porque a primeira menção de crucifixos apareceu muito mais tarde no VI século. Também a tradição que incentivou o culto às imagens só foi promulgada no século VI. A igreja de 390 dava a comunhão sob ambas espécies aos fiéis : pão e vinho, até ter sido abolida formalmente em 1416.  A igreja de 390 foi uma igreja em quase todos os aspectos diferente da Igreja Católica Romana actual.

Além disso, os bispos daquele Concílio nunca mencionaram serem eles os primeiros a decidirem quais os livros que seriam inspirados. Eles não reivindicam para si a autoridade de decidir a canonicidade dos livros em si. Isto só foi cogitado bem mais tarde no Concílio de Trento (1545-1563). Deus jamais deu a qualquer concílio autoridade para decidir sobre a inspiração da sua Palavra. A inspiração de tais livros não depende de concílios humanos.

Contudo, hoje, os apologistas católicos ensinam "Nós podemos aceitar a Bíblia unicamente na autoridade da Igreja Católica." Podemos nós, como cristãos, aceitar tal raciocínio? Claro que não! Jesus Cristo, nosso Senhor e Mestre, havia aprovado a Velho Testamento muito antes de a Igreja de Roma lhe acrescentar mais livros.

 

O cânon bem antes de Hipona e Cartago

Também não pode ser provado que foi a igreja católica quem reuniu os livros do Novo Testamento, pois esta colecção já estava em circulação bem antes do Concílio de Hipona. Abaixo, catalogamos uma lista de livros que foram mencionados pelos escritores cristãos primitivos:

  • 326 _  Atanásio, bispo de Alexandria, menciona todos os livros do Novo Testamento.
  • 315-386 _ Cirilo, bispo de Jerusalém, dá uma lista de todos os livros do NT excepto Apocalipse.
  • 270 _ Eusébio, bispo de Cesaréia, chamado de Pai da história eclesiástica, narra sobre a perseguição que o imperador Diocleciano lançou sobre a igreja cujo decreto requeria que todas as igrejas fossem destruídas e as Sagrada Escrituras queimadas. Ele listou todos os livros do Novo Testamento. Ele foi comissionado por Constantino para preparar cinquenta cópias da Bíblia para uso das igrejas de Constantinopla.
  • 185-254 _ Origenes, escritor de Alexandria, especifica todos os livros de ambos os Testamentos.
  • 165-220 _ Clemente de Alexandria, especifica todos os livros do Novo Testamento exceto Filemon, Tiago, 2 Pedro e 3 João. Mas, Eusébio, que possuía os escritos de Clemente, disse que ele deu explicações e citações de todos os livros canónicos.
  • 160-240 _ Tertuliano, contemporâneo de Orígenes e Clemente, menciona todos  os livros do NT excepto 2 Pedro, Tiago e 2 João.
  • 135-200  _ Irineu, citou todos os livros do NT excepto  Filemon , Judas, Tiago e 3 João.
  • 100-147 _ Justino, o Mártir, menciona os Evangelhos como sendo quatro em número e cita-os, bem como algumas das epístolas de Paulo e Apocalipse.

Assim, todos os livros do Novo Testamento estiveram em circulação na era apostólica.

Os apóstolos, eles mesmos colocaram os seus escritos em circulação no começo do cristianismo (Colossenses 4:16 - 1 Tessalonicenses 5:27). As Escrituras Sagradas foram escritas para todos (1 Coríntios 1:2; Efésios 1:1). Jesus disse que a Sua Palavra permanecerá para sempre. A Igreja Católica não foi a única a possuir a Bíblia nos priomeiros séculos do cristianismo.

A reclamação que a igreja católica faz de ter dado a Bíblia ao mundo não pode ser verdadeira porque eles não foram os únicos a possuír a Bíblia durante estes dois mil anos de cristianismo. Algumas das mais importantes versões e manuscritos gregos vieram a nós de fontes não-católicas romanas.

 

O Codex Sinaiticus

Um exemplo notável disto é o Codex Sinaiticus que foi encontrado no monastério de Santa Catarina (pertencente à Igreja Ortodoxa Grega) no monte Sinai 1844 e está agora no Museu Britânico. Contém nada menos que os livros do Novo Testamento e pequenas porções do Velho testamento. Alguns estudiosos defendem que este manuscrito foi escrito no quarto século, não mais tarde do que 350 d. C. Este manuscrito encontrado por um estudioso alemão protestante, que é o mais completo de todos nunca esteve nas mãos da Igreja Católica Romana.

 

Codex Alexandrinus

Outro manuscrito valioso que nunca esteve em posse da Igreja Católica Romana é o Codex Alexandrinus. Está em exibição no Museu Britânico de Londres. Ele foi um presente do Patriarca de Constantinopla (da Igreja Ortodoxa Grega) a Charles I em 1628. Ele tinha estado na posse do Patriarca durante séculos e originalmente veio de Alexandria, no Egito, de onde se obtém seu nome. Os estudiosos acreditam que este manuscrito também foi produzido no quarto século. Muitos acreditam que estes dois manuscritos foram uma das cópias que Constantino mandou fazer das cinquenta Bíblias preparadas por Eusébio.

 

Conclusão:

À luz dos factos acima , a reivindicação da Igreja Católica Romana de que ela tem sido o único guardião e preservador das Escritura não procede.

A Bíblia não é um livro Católico. Nenhum católico escreveu a Bíblia, e nem as suas doutrinas podem encontrar guarida nas Sagradas Escrituras. O Novo Testamento foi completado antes do fim do primeiro século, A.D, quando nem havia a Igreja Católica como a conhecemos hoje, igreja essa que teve o seu desenvolvimento paulatinamente depois do quarto século. A Igreja Católica não é a igreja verdadeira e original, mas uma "igreja" apostata.

 

 

Mas, mesmo que a Igreja Católica pudesse provar que é a única guardiã das Sagradas Escrituras, ainda assim permanece o facto de que a Igreja Católica não está seguindo a Bíblia e suas doutrinas são contrárias à mesma. Além disso, mesmo que a Igreja Católica conseguisse provar conclusivamente que seja a responsável pela reunião dos livros do Novo Testamento, isso não prova que a Igreja Católica é infalível.

 

Adaptado de: http://www.cacp.org.br/catolicismo/

Raízes do Papado e da Adoração a Maria

"Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem, (...)" 1 Timóteo 2:5

 

Perante esta afirmação da Palavra de Deus, como fica a situação de todos aqueles que rezam à Virgem Maria e aos "santos"? Se a Bíblia afirma que só Jesus pode interceder por nós perante Deus, quem ouve as orações endereçadas aos "santos"? Sei de muitas pessoas que acreditam que os "santos" de quem são devotas lhes concederam o milagre que necessitavam, mas, a Palavra de Deus é muito clara. Só Jesus pode levar as nossas peticões a Deus!

E porque é que só Ele pode interceder por nós? _ Porque Jesus ressuscitou! Ele está vivo!

Todos os "santos" canonizados pelos homens estão mortos! Podemos visitar os seus túmulos. O único túmulo que está vazio é aquele onde Jesus esteve 3 dias.

Quando falamos de todos os "santos" falamos também da Virgem Maria. Ela viveu e morreu. (Ponto final e parágrafo) Por isso não pode interceder pelos vivos.

Você pode perguntar-se qual o interesse da Igreja Católica Romana em criar todos estes "santos", mas não deve ser difícil ver a resposta... quanto dinheiro se faz em Fátima? Num dia 13 de Maio, o dinheiro arrecadado daria para acabar com a maior parte da pobreza em Portugal.

 

O que é que a Bíblia nos diz sobre os "santos", respectivas imagens e aqueles que os veneram? " (...) o nosso Deus está nos céus; ele faz tudo o que lhe apraz.

Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos do homem.Têm boca, mas não falam; têm olhos, mas não vêem;têm ouvidos, mas não ouvem; têm nariz, mas não cheiram; têm mãos, mas não apalpam; têm pés, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta. Semelhantes a eles sejam os que fazem, e todos os que neles confiam. Salmos 115: 3-8.

Socorrendo-me do livro "Debate" da autoria do pastor Reginaldo de Melo, vou falar sobre as Raízes do Papado e da adoração a Maria.

"Desde o ano 200 a.C, até ao ano 276 d.C, os imperadores romanos ocuparam o posto e o título de Sumo Pontífice, da ordem babilónica, um título pagão. Quando o Imperador Graciano se negou a liderar esta religião não-cristã, Dâmaso, Bispo da Igreja de Roma, foi nomeado para esse cargo no ano 378 d.C.

Assim, uniram-se numa só pessoa todas as funções de um Sumo Sacerdote apóstata (falso), com os poderes de Bispo Cristão. Imediatamente, após esses acontecimentos, deu-se a supremacia da Igreja de Roma sobre as outras igrejas, e começou a promover-se a adoração a Maria como a raínha do céu e mãe de Deus.

Daí procederam todos os absurdos da actual Igreja Católica romana quanto à humilde pessoa de Maria, a qual, de acordo com a Bíblia, é a mãe do homem Jesus e nunca de Deus.

Enquanto se desenvolvia a adoração a Maria, os cultos da Igreja perdiam cada vez mais os elementos espirituais e a perfeita compreensão da graça de Deus. Formas pagãs, como a ênfase sobre o mistério e a magia, influenciaram a Igreja. O sacerdote, o altar, a missa, as imagens de escultura, assumiram cada vez mais um papel principal no culto. A autoridade era centralizada numa Igreja, dita infalível, a não na vontade de Deus e da sua Palavra, havendo portanto um desvio dos valores bíblicos.

 

Conclusão: Foi a partir desses acontecimentos que a Igreja se desviou da Palavra de Deus, através de tradições de homens, de dogmas humanos e de Concílios. A Igreja de Roma, actualmente Igreja Católica Romana, apesar de ter sido fundada sobre a sólida Palavra Inspirada de Deus, (pois o Apóstolo Paulo dedica uma epístola à mesma, chamada carta do Apóstolo Paulo aos Romanos), seguiu um caminho de desvio da fé genuína e bíblica até aos dias de hoje. Todavia, com a restauração das verdades Bíblicas centrais da fé Cristã através dos tempos (EX: A Reforma Protestante do séc. XVI) ainda há, neste período da graça de Deus, para os que desejarem, tempo para as reflectir, para as aceitar e para as seguir." Termino com um versículo da Escrituras que nos alerta:

Mas o Espírito expressamente diz que em tempos posteriores alguns apostatarão da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios, 1 Timóteo 4:1

 

QUEM É O CABEÇA DA IGREJA?

"(...) como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o Salvador do corpo." (Efésios 5:23)

"(...) ele (Jesus Cristo) é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência," (Colossenses 1:18)

 

Contráriamente ao ensino bíblico, a Igreja Católica Romana ensina que o Papa é o cabeça principal da Igreja, e que o mesmo é a autoridade máxima na e da Igreja.

Esta doutrina desenvolveu-se entre os anos 313 e 590 d.C, quando a Igreja Católica Antiga, gradualmente, foi sendo absorvida pela Igreja Católica Romana.

Até então, cada Bispo Cristão era um igual entre si, mas, com a supremacia do Bispo de Roma, sobre os outros bispos, a doutrina do papado foi se fortalecendo até que em 607 d.C o título de Papa, ou Bispo Universal, foi dado a Bonifácio III pelo Imperador Focas.

Para formulação de tal doutrina, os líderes da Igreja Católica Romana baseiam-se na teoria de que o Apóstolo Pedro foi o primeiro Papa da sua história. A Bíblia não oferece nenhuma base para o estatuto e a função papal. À luz do Novo Testamento, secção da Bíblia que relata a origem da Igreja Cristã, não há menção de tal posição; este título e posição, simplesmente, nunca existiram. Tal como a adoração a Maria, o surgimento do papado teve uma inspiração pagã e secular.

Como todos sabemos, é do cérebro, localizado na cabeça, que partem todas as ordens dadas ao corpo, o qual funciona debaixo desta autoridade, e com base nisso, a Bíblia, em forma figurada fala de Cristo como o cabeça da Igreja (cf. Ef. 5:23; Col 1:18), ou seja, aquele que tem total controle sobre a Igreja, a qual é vista como o seu corpo (cf. 1 Cor. 12:27).

Portanto, a Bíblia, simplesmente ensina que a Igreja é o corpo de Cristo, sendo Ele, a cabeça principal posta nela.

A Igreja não são tijolos, como alguns pensam, nem bancos ou telhas, mas a Igreja são pessoas de corpo presente, sendo o prédio apenas o lugar onde as pessoas se reúnem (cf. Ef1:15-23 e 4:9-16).

Como dissemos atrás, os líderes da Igreja Católica Romana, afirmam, ter sido o Apóstolo Pedro o primeiro papa. Porém, nunca foi provado pela história do Cristianismo, nem nunca será, que Pedro tenha estado (ou esteve) em Roma, ou que tenha sido ele o fundador da Igreja em Roma.

Ademais, Pedro, ou qualquer dos Apóstolos jamais se consideraram superiores uns aos outros. Pedro, mesmo, considerou-se um com eles, como lemos na carta que ele escreveu, de seu próprio punho (cf. 1 Pe 1:1).

Se formos levar a questão adiante, em termos de liderança, está provado, pela Bíblia, que os três principais líderes da Igreja eram: Tiago, irmão carnal do Senhor Jesus, Pedro e João, sendo que Tiago é visto como o líder principal da mesma. O texto de Actos dos Apóstolos 15:1-18 demonstra a influência da liderança de Tiago, uma vez que foi ele mesmo a resolver a questão surgida quanto à integração dos gentios (não israelitas) na Igreja Cristã.

Outro título dado ao Papa é o de Vigário (representante) de Cristo na Terra, o qual também contradiz o ensino bíblico, que assevera que o verdadeiro e único representante de Cristo na Terra é o Espírito Santo (cf. Jo 16:12-15).

 

Nota final: Aprendemos que Cristo é a única verdadeira cabeça espiritual da Igreja, sendo ela o seu corpo na Terra, formado por todos aqueles que obedecem à Palavra de Deus.

Conclusão: Este ensino de um Papa a querer proclamar-se o cabeça da Igreja, somente entrou nela no séc. VII, no ano 607 d.C, sendo mais uma inovação da Igreja Católica Romana, uma vez que já se haviam passado cerca de 500 anos da morte dos Apóstolos de Cristo.

 

Está escrito que Jesus é o UNIGÉNITO de Deus e o PRIMOGÉNITO de Maria.

A Bíblia é o Livro mais conhecido, lido e comentado do mundo!

Neste nosso País, à beira-mar plantado, apesar de ser conhecido e de existir em quase todas as casas, a Bíblia é um livro pouco lido e erradamente catalogado de antigo e ultrapassado.

Antigo? É.

A Bíblia é sem dúvida um dos livros mais antigos do mundo, um Livro que resistiu a todas as tentativas de destruição ao longo da história e pelo qual muitos têm dado as suas vidas. Um Livro, que em certos países, coloca sob pena de morte quem o possui. Um Livro, o único, que transforma vidas!

Ultrapassado? Não!

Ainda hoje, está muito à frente do tempo em que vivemos. Dia-a-dia, a Bíblia é actualizada pelos acontecimentos mundiais. A Ciência, conforme vai avançando, vai revelando aquilo que a Bíblia já anunciava à milhares de anos atrás.

Sendo o nosso país profundamente dominado pelo Catolicismo Romano, apesar de se dizer "laico", a Bíblia foi durante séculos um livro proíbido. Um livro que poderia abrir os olhos a todos aqueles que, a bem ou a mal, foram obrigados a deixar-se baptizar para aumentarem o número dos "fiéis" à igreja de Roma. Quantos pagaram com a vida a sua fidelidade à Verdadeira Palavra de Deus! Quantos formam queimados vivos por recusarem adorar a Maria e ser fiéis à "Santa Madre Igreja"? Quantos foram torturados cruelmente até negarem adorar somente a Deus? Tantas atrocidades cometidas pelo homem em nome de Deus!

 

Mas... voltemos aos nossos dias!

Quase todas as famílias portuguesas têm um exemplar da Bíblia em casa, mas poucos, muito poucos lêem a Palavra de Deus! Uns porque acreditam na mentira de que a Bíblia é antiga e ultrapassada, outros porque acham que só os papas, bispos, padres, pastores, ou srs. drs. sabem "descodificar" as Escrituras. É mais cómodo acreditar no disse-me-disse, no "está escrito" do que lêr e confrontar.

Para ouvir, basta não ser surdo! Já para lêr é preciso ter alguma inteligência!

A Bíblia, é a Palavra de Deus para todos aqueles que O buscam de todo o coração e de todo o entendimento! Não é um código inacessível. Só o Espírito Santo pode revelar a Palavra aos nossos corações e, para que isso aconteça, só temos que ter sede de Deus, sede de conhecer a verdade! Jesus Cristo disse:

"(...) Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." (João 14:6)

A única forma de irmos a Deus é em Cristo! A única forma de conhecer Jesus Cristo é lendo o Livro que O dá a conhecer à humanidade!

Só a Bíblia tem a chave para um relacionamento intímo com o Senhor Jesus! Só a Bíblia pode mostrar onde se encontra a verdade e revelar a mentira.

Muitas pessoas, pensam erradamente, que a Bíblía usada na Igreja Católica é diferente daquela que os "Protestantes" usam. É mentira!

A única diferença entre as duas Bíblias dá pelo nome de "livros apócrifos", adicionados à Bíblia Católica, ao Velho Testamento, numa tentativa de justificar a adoração aos santos e às respectivas imagens de escultura.

 

O que são os livros apócrifos?

Os Livros apócrifos (grego: απόκρυφος; latim: apócryphus; português: oculto[1]), também conhecidos como Livros Pseudo-canônicos, são os livros escritos por comunidades cristãs e pré-cristãs (ou seja, há livros apócrifos do Antigo Testamento) nos quais os pastores e a primeira comunidade cristã não reconheceram a Pessoa e os ensinamentos de Jesus Cristo e, portanto, não foram incluídos no cânon bíblico. Excepto esses 14 livros, tanto o Velho Testamento como o Novo são iguais.

Sendo que, como o Novo Testamento, é o Evangelho das Boas Novas da Salvação, a igreja de Roma decidiu que, para validar as suas doutrinas contrárias à Palavra de Deus, como por ex: a adoração a Maria, havia a necessidade de adicionar notas de rodapé supostamente explicativas dos textos bíblicos que, segundo os drs. da lei, seriam de difícil entendimento para os "leigos" como nós!

Um exemplo flagrante encontra-se na tentativa de explicação deste texto:

Marcos 3:31 Chegaram então sua mãe e seus irmãos e, ficando da parte de fora, mandaram chamá-lo. 32 E a multidão estava sentada ao redor dele, e disseram-lhe: Eis que tua mãe e teus irmãos estão lá fora e te procuram. 33 Respondeu-lhes Jesus, dizendo: Quem é minha mãe e meus irmãos! 34 E olhando em redor para os que estavam sentados à roda de si, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos! 35 Pois aquele que fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, irmã e mãe.

Qualquer pessoa que leia esta passagem percebe claramente que, ao contrário do ensino Católico Romano, e das notas de rodapé das Bíblia católicas, Maria teve outros filhos.  Maria e José, após o nascimento virginal de Jesus Cristo, consumaram o casamento e tiveram filhos e filhas! A Bíblia fala várias vezes sobre esse facto. Está escrito que Jesus é o UNIGÉNITO de Deus e o PRIMOGÉNITO de Maria.

Perante texto tão claro, os "en"g"anadores" católicos escrevem em nota de rodapé que, ao referir-se aos irmãos de Jesus, a Bíblia estava na verdade a falar de seus primos porque, segundo o "ensinador", naquele tempo não existia a palavra "primo". Grande tiro nos pés! _ Não foi a prima Isabel que Maria visitou? Maria visitou Isabel, a mãe de João Baptista, primo de Jesus Cristo!

Mas a Bíblia ainda elucida melhor a verdade de que Maria teve mais filhos referido-se a Jesus Cristo e à sua família carnal:

 

Não é este o filho do carpinteiro? e não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos Tiago, José, Simão, e Judas? (Mateus 13:55)

 

Não é este o carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, de José, de Judas e de Simão? e não estão aqui entre nós suas irmãs? E escandalizavam-se dele.

(Marcos 6:3)

Amados:

É fácil ser enganado quando temos preguiça de confrontar o que ouvimos com o que realmente está escrito! É fácil ser enganado quando não temos conhecimento.

Jesus disse: "Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos." (Mateus 11:25)

Naquela mesma hora exultou Jesus no Espírito Santo, e disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos; sim, ó Pai, porque assim foi do teu agrado. (Lucas 10:21)

Só quando conhecemos a verdade somos verdadeiramente livres!

Leia a Bíblia!

 

Maria é "bendita", "bem aventurada" e "agraciada"?

O Aloysio comentou sobre Maria, mãe de Jesus:

 

"Maria Helena:
Em Lucas 1.48 -" E desde agora, todas gerações me proclamarão bem Aventurada"
"Desde agora"  - significa a partir do momento que foi dito. "Todas as gerações" inclui toda a humanidade, desde o  momento em que foi dito até o final dos tempos. A palavra "me proclamarão"  não é  sugestão e sim um mandato. "Bem Aventurada"   significa : " Santa", "bendita", "cheia de graça"  "ditosa".
Ora em toda correspondência recebida dos protestantes, (de muitos anos anteriores até o momento) referente à mãe de Deus, nem um só protestante a chamou de "bendita". Devo advertir  que este versículo não é uma sugestão e sim um mandato de Deus. O Arcanjo Gabriel a chamou de "Cheia de Graça" em Lucas 1.28. Os anjos falam por Deus.
Isabel a chamou de "bendita"  em Lucas 1.42 e suas palavras surgiram por estar "cheia do/Espírito Santo". Deus a chamou de "Bendita"  mais de uma vez,   então que desculpa tem os protestantes para também não chamá-la de "Bendita".
E ainda dizem que seguem as Escrituras ao pé da letra?
Caros protestantes se estiverem lendo este artigo, vocês a chamam de "Bendita"? Não? Então por que desobedecem as Escrituras?"

 

Respondi ao Aloysio:

Oh Aloysio quanta cegueira...
Quando Maria disse: "E desde agora, todas gerações me chamarão bem aventurada", ela estava apenas a reconhecer e a aceitar a dádiva que Deus lhe havia concedido. Ela não imaginava que mais tarde, no ano 431 lhe dariam o título de mãe de Deus, que em 469 fosse criada a doutrina de que ela não tinha tido outros filhos, que em 787 fosse instituído o culto à sua pessoa, que em 1854 declarassem que a sua concepção tinha sido imaculada (tornando-a igaul a Jesus Cristo), e que em 1950, baseado numa lenda infantil, o papa Pio XII declarasse que ela tinha ascendido ao céu! E, como se não bastasse, depois de todas estas decisões antibíblicas, colocaram-lhe uma coroa na cabeça proclamando-a "Rainha dos Céus, mãe de todas as graças" e outros títulos idólatras que a mãe de Jesus Cristo rejeitaria liminarmente se cá estivesse.

Maria é mãe do HOMEM Jesus, não do DEUS Filho que estava no princípio com o Pai e criou todas as coisas como nos ensina a Palavra de Deus: "No princípio (Jesus) era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez." (João 1:1-3)
Se Maria tivesse recusado a sua incrível missão (ser mãe de Jesus) teria recusado a bênção do Senhor! Maria nunca ordenou nada nas Escrituras... a não ser que obedecêssemos a tudo o que Jesus nos mandar fazer:  "Fazei tudo quanto ele vos disser."  (João 2:5)

 

Na linguagem bíblica, "bem aventurados", são todos aqueles que ouvem a Palavra de Deus e a guardam como Jesus ensinou quando alguém disse:  "Bem-aventurado o ventre que te trouxe e os peitos em que mamaste." (Lucas 11:27), Jesus retorquiu: "Antes bemaventurados os que ouvem a palavra de Deus e a guardam." (Lucas 11:28).

Quem são os bem aventurados no sermão do monte? "Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa." (Mateus 5:11). Segundo a tua explicação do termo "bem aventurada" atribuído a Maria, todos eles seriam " santos", "benditos", "cheios de graça" "ditosos", certo? Ou não?
Maria foi de facto bem aventurada como o são todos os filhos de Deus!

 

Em Lucas 1:28 está escrito: "Salve, AGRACIADA; o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres." (Lucas 1:28).
Agraciada, não "cheia de graça", alcançada pela graça de Deus, escolhida entre muitas. Maria era uma jovem, pobre e mulher. Ela tinha todas as características que a faziam parecer inapta aos olhos das pessoas daquela época para executar qualquer tarefa importante para Deus. Mas... Ele escolheu-a para a mais importante de todas as missões que exigia uma obediência jamais solicitada a alguém.
Bendita entre todas as mulheres sem dúvida, mas nunca deusa ou mãe de Deus porque ela é criatura e nunca criadora. Ela jamais poderia ser a mãe do Jesus Deus porque foi Ele que a criou.
Quanto ao termo "bendita", que segundo o teu entendimento a torna diferente dos demais mortais e digna de adoração (veneração), aconselho-te a ler a Bíblia porque ela diz-nos: "Bendito o homem que confia no Senhor, e cuja confiança é o Senhor." (Jeremias 17:7). Será que isso não diz que todos os homens fiéis e tementes a Deus são tão benditos como Maria? Será que devemos rezar a todos os homens benditos e dar-lhes o cargo de reis do céu, mediadores e intercessores depois de mortos?

 

Caro católico... não procure apologética católica para negar ou deturpar a Palavra de Deus e o seu ensino, busque na Bíblia, sem as "palas" das notas de rodapé da apologética católica romana, aquilo que ela ensina e perceberá que só a cegueira espiritual transforma Maria em deusa, raínha do céu, intercessora ou mediadora. E já agora, aconselho-o a usar um bom dicionário bíblico para entender os termos que comentou de forma equivocada. Deus o abençoe!